Jogadores do Gremio e Celso Roth - União?

Durante esta semana a imprensa gaucha, e até mesmo do eixo Rio-São Paulo, veiculou declarações dos jogadores do Gremio. Entre eles uma entrevista de Tcheco, nosso capitão. Em todas estas declarações os jogadores foram unânimes em afirmar que estão ao lado de Celso Roth. Tcheco foi mais longe e disse estar profundamente constrangido com a fase do time e dele próprio este ano.

Todos sabem que a esmagadora maioria da torcida gremista já não aguenta mais os desmandos desta nova diretoria, e a super proteção em cima de Celso Roth, o que vem gerando protestos e mais protestos.

Nós torcedores, que mantemos o clube, tinhamos apenas os jogadores do nosso lado, pois tanto treinador como diretoria nos abandonaram, mas ao que parece ficamos órfãos. E por isso todo o cenário muda drasticamente de figura de agora em diante!

Antes uma parte bem consideravel da torcida apoiava o time 100%, é o chamado apoio incondicional. Não interessava se o time jogasse mal, ou perdia, ou um ou outro jogador errasse nos jogos, esta parte da torcida estáva sempre lá, cantando e apoiando seu clube. O próprio Celso Roth usou esta torcida para se defender da imprensa rebatendo as afirmações de que a maioria esmagadora da torcida queria sua cabeça. Celso disse que não, que apenas a social protestava. Mero engano, seu Roth!

Até agora preservados deste turbilhão todo, o grupo de jogadores escolheu o seu lado nesta batalha, e bom ou não, foi o lado do treinador, o contestado. Assim, a torcida está sozinha nesta luta. Justamente a ala do clube que mais sofre, mas se desgasta, mais se emociona. A grande massa gremista anda pelas ruas sem representantes no clube. Nem treinador, nem direção e agora sem jogadores.

Por um lado este afeiçoamento dos jogadores com seu comandante significa que o grupo está unido, que um confia no outro. Confiança e união são fundamentais nas conquistas. Felipão que o diga quando esteve no Gremio e pela seleção brasileira em 2002. Mas esta união tem o outro lado também.

O que era apoio incondicional, agora se tornara apois condicionado. E condicionado a resultados em campo, e não só para o treinador e direção, mas apartir de agora aos jogadores também.

O que o torcedor precisa entender é que nós somos apaixonados. Muitos gastam o que não tem para acompanhar seu clube nas competições que participa. Nós, torcedores, somos os que carregamos as bandeiras, vestimos as camisetas e ecoamos o nome do nosso clube mundo afora.

Estes jogadores são profissionais. Hoje estão vestindo a camiseta do Gremio, daqui a pouco poderão estar vestindo a do nosso maior rival. E como profissionais são pagos para fazerem o que fazem, jogar futebol. Portanto como profissionais devem se comportar como tais. E como bons profissionais o trabalho deles deve sempre estar em primeiro lugar, e precisam fazer sempre o melhor. Se você trabalha em uma empresa privada e começa a cometer erros, lógo ou você é rebaixado de cargo ou perde o emprego. Assim é a vida, assim é o mundo profissional.

Eles ganham em dia, ganham muito, mas muito bem, para fazerem apenas uma coisa: treinar e jogar futebol. Se é assim, então devemos parar agora de mimar estes profissionais. Se errarem em campo, que sejam cobrados ali no mesmo momento. Eles precisam saber que não estão sendo protegidos por ninguém. A grande massa que antes gritava seus nomes está órfã. Queremos o nosso time pegador, guerreiro e vencedor. Não queremos jogadores sentimentais, ou com crises de constrangimento em publico. Queremos homens que honrrem a camisa que já foi de Renato Portaluppi, Tarciso, De Leon, Airton Pavilhão, Flexa, Foguinho, Calvet, e o imortal Lara!

Quando a torcida começar a cobrar as atitudes destes jogadores em campo mesmo, as coisas pelos lados do Olímpico ficarão com certeza melhores, pois daremos a este grupo o que eles tanto querem: desafio!

Quero ver ao final de cada campeonato um jogador fazendo o gol do título e ir na torcida mandá-la se calar, como fêz Ailton em 96. Quero ver jogadores suando e batalhando em campo para dar o seu melhor e depois com o troféu nas mãos dizer que aquilo foi uma resposta a todas as criticas que recebeu da torcida, como fez Paulo Nunes também no brasileiro de 96.

Sim, eu acredito no Gremio, não nos homens que lá estão, nem no grupo de jogadores muito menos no treinador, mas no Gremio como clube. A camisa do Gremio tem história, assim como sua torcida.

Você torcedor não pode falhar nesta hora. Exija ser respeitado, exija o mínimo de atitude do grupo. Eles não podem ser mimados, não mesmo. Precisam ser cobrados!

Desta maneira espero que sigamos avante na libertadores e possamos fazer um excelente brasileirão em busca do titulo.

Comentários

Postagens mais visitadas