Uma derrota para lamentar

Não quero começar minha explanação hoje dizendo que o mundo do Grêmio caiu só por causa desta derrota. Não caiu porque derrotas são tão normais quanto vitórias. Mas então porque esta derrota me deixou entristecido esta noite em especial?

O Grêmio começou o jogo bem, fazendo exatamente aquilo que o dono da casa, e líder do campeonato, deve fazer: atacar.

Sem Perea, que agora sabemos ser peça fundamental no esquema de Celso Roth, o time entrou em campo com Marcel e Reinaldo. Ambos se movimentaram bem, mas o gol só surgiu de uma falta levantada na area, e de surpresa Léo avançou pelo meio de zagueiros e atacantes gremistas para enfiar o pé na bola, e esticar as redes da meta de Harley.

Nada melhor que começar uma partida vencendo, ainda mais que o adversário não tinha levado perigo algum a meta de Victor. Mas ficou por ai a pressão gremista, e assim começou a mudar o panorama do jogo.

Aos poucos o Goias, que tem agora a melhor campanha do returno, foi equilibrando a partida e levando perigo ao gol do Grêmio. Na volta para o segundo tempo um escanteio resultou no gol Olímpico de Paulo Baier. Uma falha tenebrosa do Victor, que me trás a lembrança do gol sofrido pelo Galatto no jogo dos 4x4 contra o Fluminense, em 2006.

Em seguida perdemos o zagueiro Pereira, machucado. E ainda não temos a informação de quão grave é tal lesão.

Celso mudou o time, Amaral no lugar o Pereira. Mas o Grêmio até assustava, porém de forma desordenada. O segundo gol do Goias surgiu de uma jogada pela lateral, um passe encontrou um avante esmeraldino e este chutou rasteiro, vencendo Victor. Neste gol irei poupar o goleiro gremista, pois para mim a falha se deu em todo setor defensivo.

Deste segundo gol em diante o Goias visivelmente se preocupou em defender, e o Grêmio tentou, tentou, mas as poucas chances de gol que teve pararam nas mãos do veterano goleiro Harley. Assim o Grêmio perdeu sua invencibilidade no Olímpico, e deixou a oportunidade para Palmeiras, ou Cruzeiro, se aproximarem de forma assustadora.

Agora quero salientar o que estou vendo no atual time do Grêmio. Os atletas todos, e isso é um fato, já estão no limite da forma fisica, e como o Grêmio não é um time com jogadores diferenciados, se o grupo não estiver 100% a situação não é boa. É o que está acontecendo desde o jogo contra o Flamengo.

Aliás, os jogos contra Flamengo, Nautico e Fluminense, todos fora de Porto Alegre, já davam indicios de que o Grêmio já não era mais o mesmo do primeiro turno. Em todos estes três jogos o time gremista jogou recuado, esperando o adversário. Quem assistiu as partidas viu que se a postura do time tivesse sido a mesma de partidas anteriores, de marcar forte o adversario e sair para o jogo, com certeza dos 2 pontos que trouxe poderiam ter rendido no minimo mais 5. Se assim fosse, a vantagem agora seria de 11 pontos, e a derrota de hoje estaria de bom tamanho. Mas não foi.

Até agora o Grêmio não esteve sofrendo com lesões, e desfalques. Mas eles já começaram. Perea, William Magrão, Marcel no sacrificio. Tcheco saiu hoje reclamando de dores, Pereira também saiu machucado. E ainda temos muitos pendurados com o segundo cartão, inclusive Victor.

Resumindo, o que o Celso Roth precisa fazer, e não tem escapatória, é primeiro ter uma boa conversa com o grupo. Levantar a moral do time, um a um. Depois ele não pode mais se dar ao luxo de usar um esquema defensivo nos jogos fora de casa. Precisa ir pra cima dos adversários, tentar a vitória. Se ficar atrás, o adversário virá com tudo, pois todos querem vencer o líder.

Victor precisa trabalhar a motivação também. Neste returno ele tem errado demais. Ainda está muito no crédito, mas precisa se fazer uma auto analise e se concentrar melhor na partida.

Enfim, muito trabalho haverá de ser feito esta semana no Olímpico. Principalmente rever algumas alterações imediatas. Souza parece render menos agora como titular, com a volta de William Magrão ele poderia voltar ao banco. Ainda na ausencia do Perea poderiamos ter ou Marcel e Morales, ou Reinaldo e Morales. Mas o uruguaio precisa entrar logo, para ver se aproveitamos novamente os cruzamentos na area.

Próximo compromisso é contra o Atlético Paranaense. Jogo duro, duríssimo, e na baixada. Derrota será terrível. Empate nem tanto, mas vitória é fundamental. Espero que Celso Roth e os jogadores entendam isso, se ainda pretendem ser campeões no final da temporada.

Comentários

Postagens mais visitadas